Palavras à solta: Produção, circulação e receção de correspondência nas prisões públicas -portuguesas (1810-1834) / Free Words: Production, Circulation and Reception of Correspondence Inside Portuguese Public Prisons (1810–1834)

  • Ana Leitão Universidade de Lisboa Faculdade de Letras Centro de História - Centro de Linguística http://orcid.org/0000-0002-5677-8319
Palabras clave: Correspondência particular, Provas documentais, Justiça, Prisão pública, Portugal. Private Correspondence, Documentary Evidence, Justice, Public Prisons, Portugal.

Resumen

De entre o universo de manuscritos produzidos por letrados, semiletrados e iletrados que é possível encontrar para o período da Modernidade em arquivos judiciais portugueses, o investigador tem a oportunidade de aceder a um apreciável conjunto de testemunhos que nos ajudam a retratar, com a acuidade de um retrato a pincel, cenários da vida quotidiana e vivências íntimas nos mais variados quadrantes dos impérios ibéricos. Com o presente artigo ilustraremos a experiência do projeto Post Scriptum, financiado pelo European Research Council (7FP/ERC Advanced Grant - GA 295562), no que respeita a correspondência produzida em contexto prisional entre 1810 e 1834. As produções a que nos reportamos são oriundas de processos-crime de natureza diversa –maioritariamente do foro cível–, e veiculam diferentes perspetivas sobre dinâmicas sociais, atos criminosos e posturas subversivas de Portugal em finais do Antigo Regime.The wealth of manuscripts that can be found in Portuguese court archives, produced by both literate and illiterate people during the Early to Late Modern Period, gives the researcher access to a wide range of testimonials. Such sources provide intimate portrayals of the everyday life and personal experiences of people in the most disparate parts of the Iberian empires. In this article, we demonstrate the experience of the Post Scriptum project (which was financed by the European Research Council (7FP/ERC Advanced Grant - GA 295562)), particularly through the correspondence produced inside Portuguese public prisons between 1810 and 1834. The letters analysed come from criminal proceedings of various kinds – mainly in the civil courts – and provide varied perspectives on social dynamics, criminal acts and subversive activities in Portugal towards the end of the Ancient Regime.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ADRIANO, P. (2010): Penitenciária Central de Lisboa: A Casa do Silêncio e o despontar da arquitectura penitenciária em Portugal, [dissertação de mestrado].

ALMEIDA, F. DE (2004): História de Portugal: instituições políticas e sociais, Bertrand, Chiado.

ARAÚJO, C. (1994): «As invasões francesas e a afirmação das ideias liberais», in J. MATTOSO (coord.), História de Portugal, vol. V, Estampa, Lisboa: 17-43.

ARTIÈRES, P. (2005): «La prisión de finales del siglo XIX: una máquina grafómana», in A. CASTILLO GÓMEZ et V. SIERRA BLAS (eds.), Letras bajo sospecha: escritura y lectura en centros de internamento, Ed. Trea, Gijón: 135-146.

CASTILLO GÓMEZ, A. (2003): «Escrito en prisión. Las escrituras carcelarias en los siglos XVI y XVII», Península. Revista de Estudos Ibéricos 0: 147-170.

COMBESSIE, Ph. (2001) : Sociologie de la Prison, La Découverte, Paris.

DÉROZIER, A. (1981): «Tercera Parte – Visión Cultural e Ideológia», in M. T. DE LARA (dir.), Centralismo, Ilustración y Agonia del Antiguo Régimen (1715-1833), Vol. VII, Labor, Barcelona: 321-445.

DRUMOND BRAGA, I. (2015): Viver e morrer nos cárceres do Santo Ofício, Esfera dos Livros, Lisboa.

DRUMOND BRAGA, I. et al. (coords.) (2015): As Mulheres perante os Tribunais do Antigo Regime na Península Ibérica, Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra.

FOUCAULT, M. (2002): Vigiar e Punir: nascimento da prisão, 25ª ed., Vozes, Petrópolis.

GOFFMAN, E. (2002): A Representação do Eu na Vida Cotidiana, Vozes, Petrópolis.

HESPANHA, A. (2012): Cultura Jurídica Europeia: síntese de um milénio, Almedina, Coimbra.

HOMEM, A. P. B. et al. (orgs.) (2013): Cadeia do Limoeiro - da punição dos delinquentes à formação dos magistrados, Centro de Estudos Judiciários, Lisboa.

LEITÃO, A. (2016): «Documentary evidence in early modern Portugal and overseas: a window to literacy practices», in A.-C. EDLUND et al. (eds.), Reading and writing from below: exploring the margins of modernity, Umea University, Umea: 251-268.

LIMA, H. P. de (1967): Processos Políticos do reinado de D. Miguel - Sumários. [Separata do Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, vol. XXVIII], Coimbra: [s.e.].

LISBOA, J. I.; MIRANDA, T. (2011): «A cultura escrita nos espaços privados», in J. MATTOSO (dir.), História da Vida Privada em Portugal – a Idade Moderna (coord. N. GONÇALO MONTEIRO), Círculo de Leitores, Lisboa: 334-395.

MARQUILHAS, R.; ALBINO, C. (2005): «Escribir cartas aterradoras en el Palacio do Limoeiro. Portugal, 1822-1825», Hispania. Revista de Historia 65 (3): 991-1019.

MARQUILHAS, R. (2005): «Una gran sala con la puerta aberta: cartas imaginaries desde la cárcel inquisitorial de Évora (Portugal, siglo XVIIi) », in A. CASTILLO GÓMEZ et V. SIERRA BLAS (eds.), Letras bajo sospecha: escritura y lectura en centros de internamento, Trea, Gijón: 43-76.

MARQUILHAS, R. (2007): «On the Study of the Everyday Writings – Portuguese Letters from the Seventeenth to the Nineteenth Century», in W. MIERLO (ed.) Variants: The Journal of the European Society for Textual Scholarship, n.º 6 - Textual Scholarship and the Material Book, Rodopi, Amsterdam/New York: 263-276.

MORAIS SILVA, A. (1948-1959): Grande Dicionário da Língua Portuguesa, 10ª ed. [revista, corrigida, aumentada, Editorial Confluência, Lisboa.

OLIVERIRA, A. de (1995): «Migrações Internas e de Média Distância em Portugal de 1500 a 1900», in Memoriam Maria Olímpia Rocha Gil, Vol.I, I, Ponta Delgada: 259-307.

PÉREZ, C. R. (2005): «Escribo aquello que no sabría decirle a nadie. La escritura en reclusión», in A. Castillo Gómez et V. Sierra Blas (eds.), Letras bajo sospecha: escritura y lectura en centros de internamento, Trea, Gijón: 217-236.

RAMOS, R., (2009): História de Portugal, 2ª edic., Esfera dos Livros, Lisboa.

RODRIGUES, H. (1993): Liberalismo e repressão miguelista no Vale do Lima, in Cadernos Vianenses, Tomo 16, Câmara Municipal de Viana do Castelo, Viana do Castelo: 109-135.

RODRIGUES,T.; MOREIRA, M. J. G. (2008): A quantificação das almas, in T. RODRIGUES (coord.) História da População Portuguesa - Das longas permanências à conquista da modernidade, CEPESE/Afrontamento, Porto: 139-158.

SÁ, I. DOS G. (2011): Os espaços de reclusão e a vida nas margens, in J. Mattoso (dir.), História da Vida Privada em Portugal – a Idade Moderna (coord. N. Gonçalo Monteiro), Círculo de Leitores, Lisboa: 276-299.

TORGAL, L. R. (1994): O tradicionalismo absolutista e contra-revolucionário e o movimento católico, in J. MATTOSO (coord.), História de Portugal, vol. V, Estampa, Lisboa: 227-239.

VAZ, M. J. (1998): Crime e Sociedade: Portugal na segunda metade do século XIX, Celta, Oeiras.

Sección
Dossier